Radio

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013


Irmãos Coragem

Antônio Baixinho, à época trabalhando como pedreiro, foi contratado para fazer uma restauração num túmulo no cemitério Sra. Sant’Ana.
Acompanhado de um irmão, um cabeludo mais feio do ele, foi à luta.
Ao chegarem ao cemitério, o irmão de Antônio Baixinho sobe para fazer o serviço na parte superior, com uma lata de cal; enquanto Antônio Baixinho ficou na parte interna inferior do túmulo, onde geralmente há um portão.
Ao escurecer, uma senhora, que havia perdido o marido, acompanhada de duas filhas, que os irmãos estavam trabalhando. Ela, chorando bastante, aos prantos, dizia:
     Ah! Meu Deus! Se eu tivesse o merecimento de ver José!
Nesse exato momento, o cabeludo, irmão de Antônio Baixinho, todo sujo, pula de cima do túmulo para pegar mais cal. A senhora desmaia. Antônio Baixinho, que se encontrava dentro do túmulo todo melado de cal, bota a cabeça para o lado de fora e grita:
     O que diabéisso aí?
As filhas correm em disparada, deixando a mãe atirada ao chão.
O irmão de Antônio Baixinho, vendo a situação da pobre mulher, tenta reanima-la:
     Dona Minina, sou eu!
Alguns minutos depois, a senhora volta a si. Todavia quando ela se depara com o cabeludo todo branco de cal, desmaia novamente.
Do lado de fora do cemitério, as filhas da pobre mulher, que ficara desmaiada, gritavam:
     Nós vimos duas almas! Nós vimos duas almas!

Escrito: por Giovani de Oliveira